Você está em: Página Inicial > Artigos > Laminite: O que é e como tratar
Saúde
Publicado em 24/10/2013 Comentários

Laminite: O que é e como tratar

Chamada popularmente de “aguamento”, a Laminite é uma patologia que atinge o sistema locomotor de equinos.

Laminite

O que é:

Chamada popularmente de "aguamento", a Laminite é uma patologia que atinge o sistema locomotor de equinos. Sua ocorrência é bastante grande, e apesar de um estudo epidemiológico indicar que todas as raças são afetadas do mesmo modo, encontrou se uma maior incidência em cavalos Quarto de Milha, Árabes e PSI.

Ela é descrita como uma doença vascular periférica, com diminuição da perfusão capilar no interior da pata, necrose isquêmica (falta de sangue) das láminas, gerando inflamação e muita dor. Esta doença ocorre devido a manifestação local de um distúrbio metabólico mais sistêmico, que afeta o sistema cardiovascular, renal, endócrino, coagulação sanguínea e do equilíbrio ác.básico.

O que acontece nas patas afetadas?

Laminite

A falange distal (osso que fica no interior do casco), é presa no interior da parede do casco por lâminas. Na base da falange existem vasos sangüíneos que nutrem essas lâminas. O tendão flexor profundo se insere na superfície palmar (de trás) da falange distal (ele tem a função de flexionar esta região).

Na pata afetada com Laminite ocorre uma isquemia (diminui o suprimento de sangue) no interior do casco, as lâminas ficam inflamadas e podem necrosar, gerando muita dor. Em casos mais sérios o animal pode perder o estojo córneo.

Para entender melhor:

Como o tendão flexor está inserido na superfície da falange distal, ele "puxa" a falange para trás, fazendo esta rotar (isto ocorre na laminite crônica). Ela rota, pois as suas "amarras" foram soltas que eram as Lãminas necrosadas.

Rotação da falange distal (com a sua ponta perfurando a sola do casco). Podem ser afetadas as 4 patas, mais na maioria das vezes são afetadas somente os anteriores.

Porque esta patologia ocorre?

1. Alimentação:
A ingestão exagerada de CARBOIDRATOS (milho, trigo, cevada ou ração, na aveia não tão grave) ou a troca brusca de alimentação.

Laminite

O fornecimento de pasto muito viçoso, que contém trevos e alfafas, também podem gerar diarreia e virar em Laminite.

2. Água:
A ingestão de grandes quantidades de água fria em cavalos recém trabalhados (quentes, suados), pode gerar um choque térmico, levando a uma gastrointerite causando a laminite.

3. Sobretreinamento:
O trabalho pesado sobre um piso duro, em animais não condicionados fisicamente, pode gerar a laminite, ainda mais em animais que possuem a parede do casco e sola finas.

4. Cólicas:
A duodeno jejunite proximal (cólica pela inflamação do I.D.), gera endotoxemia e subsequentemente pode dar Laminite.

Laminite - Cólica

5. Retenção de Placenta / Endometrite:
A Laminite pode ocorrer em caso que haja retenção de placenta com ou sem endometrite.

6. Uso prolongado de Corticoides.
Sintomas e diagnóstico:
- Claudicação grave (manqueira);
- Aumento de pulso;
- Calor nos cascos afetados;
- Posição característica (para alívio dos membros afetados);
- Rotação da falange distal (crônica);
- Separação da faixa coronária (coroa do casco) no processo extensor.

O diagnóstico é óbvio.

Laminite
Posição característica para alívio dos membros afetados.

Tratamento:

Esta patologia é considerada uma emergência, podendo ser leve ou extremamente grave!

A Laminite aguda (nas primeiras 48hs, ou antes que a falange distal rote), deve ser tratada com:

- Gelo (colocar o membro afetado 3 ou 4 vezes ao dia);
- Fenilbutazona (analgésico com efeito antiplaquetário),
- Flunixim meglumine (efeito endotóxico),
- Ácido Acetilsalicílico (anticuagulante),
- Acepromazina (redução da hipertensão)ou a critério de cada veterinário;
- Alimentação a base de feno, podendo entrar com aveia com a melhora do caso;
- Antibiótico sistêmico / tópico (em alguns casos);
- Exercício controlado;
- Cama feita de areia;
- Ferradura em forma de coração para ajudar a evitar a rotação da falange.

Laminite

Prevenção:

Mantendo um manejo correto em relação à alimentação, exercícios e patologias relacionadas, podemos diminuir muito as chances de ocorrer a Laminite.

Laminite

Claudia Tigre dos Passos
Médica Veterinária
(ctigre280@terra.com.br)

Artigos que você possa estar interessado:

Deixe seu Comentário:

Comentários:

Luiz Paulo de Novais Miranda - 20/05/2018

Alimentação rica em milho, indus a um exesso de istamina ,que reflete dando vaso dilatação periférica , principalmente em animais encocheirados , facilmente visível na coroa do casco é comum usar fenilbutazona mais um anti histamínico no caso fenergam porém este produto indus um sono no animal seu uso tem que ser muito bem controlado , tem que ser feito em duas ou treis etapas o sucesso é quase certo quero que alguém que já fez isto comente.sou médico veterinário há 43 anos UFMG.

Vanilton porfirio - 19/05/2018

Achei muito interesante tirei algumas duvidas sobre a laminite .. Parabéns

joaquim de paula - 14/05/2018

Bom dia! Foi muito bom a explicação é exatamente o sintoma que apresenta o meu potro o sintoma da Laminite obrigado valeu.

Adilson salvuchi - 08/02/2018

excelente ecplicaçào.muito util para quem um cavalo com esses sintomas

rui adriano de souza - 13/09/2017

achei muito boa qualidade a explicação e vou consultar um medico assim fico mais tranquilo mas deixo aqui os parabéns ao set . valeu e muito obrigado

Jose eudes aguiar bezerra - 31/07/2017

Boa tarde, gostei das informações sao novas para mim apesar que posui animal a anos mais na zonal rural não tinha acesso as redes socias. E os tratamentos era caseiros, vol ter mais cuidados com meu cavalo Pé de pano e meu Burro Mouro.

Angela maiato - 30/07/2017

Estou com um cavalo quarto de milha está ferrado e está palito e o coração do casco está aberto que faço de urgente. Obrigada.

joao carlos tagliate - 18/04/2017

foi muinto util p/mim era o que queria saber muinto obrigado

Ulisses Azevedo de Sousa - 15/03/2017

Achei bastante interessante e coerente, só a parte de tratamento que acho que poderia ter, mas indicando procura um veterinário, e recomendado que as pessoas não utilizem esse tratamento sem o veterinário atuando, pois mesmo com essas informações, necessita de um veterinário para prescrever o tratamento analisar o grau de acometimento, olhar a melhor dieta para o animal, saber quais estruturas estão afetadas, e qual o melhor tipo de tratamento, e possíveis problemas que ela possa gera secundariamente. Obrigado pelo texto.

Antonio Carlos Claudino - 14/03/2017

Orientações super esclarecidas tenho um animal com este problema e vai me ajudar muito estas dicas , vou começar imediatamente estes tratamentos , muito obrigado .

silvio luiz pereira - 23/02/2017

sou de cerejeiras -RO gostei das orientações tirou muitas duvidas que tinha sobre esta doença,pois sempre bom agente estar ligado.

José Santos Santos - 03/12/2016

Parabéns. não mediu palavras na sua orientação! É assim que deveriam ser as informações, mais uma vez parabéns!!!!

Fabiano - 26/11/2016

Amo animais, e adoro sempre está por dentro das funções sobre cavalos e etc..

Ivanilton Dias De Souza - 20/07/2016

O cavalo quê já tevi laminite (febre nos cascos) e os cascos ficaram grandes,depois de sara ele fica um animal normal para praticar as mesmas atividades de antes.muito grato.

Robson Nascimento Pires - 27/06/2016

Parabéns! Texto show. Quase perde meu cavalo que nem aguentava se levantar com laminite, agora ela tá bom, já estou montando sem esforçar muito ele até mesmo pq vejo q ele ainda sente quando pisa em alguma pedra.

Wellington Jacintho - 26/06/2016

Minha égua esta com laminite, tem 3 anos quarto de milha, preciso colocar ferradura. Excelente as informações.

Werlen de Deus Vieira - 21/06/2016

Gostei muito da informação

Suellen - 29/01/2016

Texto bom e completo! parabéns..

Ivanir Silva - 30/09/2015

Excelente artigo,ajudou na prova de clínicas de grandes.obg

Mário Lúcio Maciel - 25/08/2015

Excelente a matéria, clara, objetiva, parabens.

Carla Colares - 09/06/2015

Olá estive lendo doc.de vcs sobre Laminite, e achei ótima...tenho cavalo crioulo chileno à 22 anos ele tem 24, amo muito ele hoje ele apresenta st quadro, foi um grande campeão em Rédeas.e laço, atualmente está parado devido os tropicões já quase caimos muitos tropicões, um dia desse ele rodou c minha filha de 8 anos, tudo bem e vcs acreditão ele procurou ainda defender ela, e saiu relichando como c pedisse desculpa....ele é cavalo inteiro, minha vontade é largar ele no campo ou várzea p tentar recuperar mas tenho medo dele ñ c adpitar e ainda alguém pegalo, já medicamos e cuidados com muito carinho, mas será q posso ter esperança dele ficar bem?

Felipe Fonseca - 29/05/2015

Tem alguma possibilidade do animal ficar com alguma sequela. Mesmo sendo tratado devidamente com o acompanhamento do veterinário desdo começo da doença?

Ronaldo Peixoto - 22/11/2014

esse artigo esplica muito bem o mecanismo fisiologico desta patologia, eu estou na academia de veterinaria, entao gostei muito.

caruso colmieres - 01/09/2014

Meu cavalo está com isso,ouvi dizer que tambem é bom retirar as ferraduras algum tempo,é claro não vou usa-lo,e também parar com graos e muita alfafa,estou certo,aguardo.obrigado.

Gustavo Braga - 16/04/2014

Foi bom ler este artigo pois estou com um animal acima do peso que sofreu esta lesao apos uma caminhada forte eu nao acreditava que estava fazendo mau ao meu cavalo dando racao em excesso.

Vania Prade - 05/04/2014

Muito bem explicado, as causas da doença. Meu filho perdeu um animal devido a doença.