Laminite: O que é e como tratar

Chamada popularmente de “aguamento”, a Laminite é uma patologia que atinge o sistema locomotor de equinos.

Por Equipe Cavalos do Sul

24/10/2013

O que é:

Chamada popularmente de "aguamento", a Laminite é uma patologia que atinge o sistema locomotor de equinos. Sua ocorrência é bastante grande, e apesar de um estudo epidemiológico indicar que todas as raças são afetadas do mesmo modo, encontrou se uma maior incidência em cavalos Quarto de Milha, Árabes e PSI.

Ela é descrita como uma doença vascular periférica, com diminuição da perfusão capilar no interior da pata, necrose isquêmica (falta de sangue) das láminas, gerando inflamação e muita dor. Esta doença ocorre devido a manifestação local de um distúrbio metabólico mais sistêmico, que afeta o sistema cardiovascular, renal, endócrino, coagulação sanguínea e do equilíbrio ác.básico.

O que acontece nas patas afetadas?

A falange distal (osso que fica no interior do casco), é presa no interior da parede do casco por lâminas. Na base da falange existem vasos sangüíneos que nutrem essas lâminas. O tendão flexor profundo se insere na superfície palmar (de trás) da falange distal (ele tem a função de flexionar esta região).

Na pata afetada com Laminite ocorre uma isquemia (diminui o suprimento de sangue) no interior do casco, as lâminas ficam inflamadas e podem necrosar, gerando muita dor. Em casos mais sérios o animal pode perder o estojo córneo.

Para entender melhor:

Como o tendão flexor está inserido na superfície da falange distal, ele "puxa" a falange para trás, fazendo esta rotar (isto ocorre na laminite crônica). Ela rota, pois as suas "amarras" foram soltas que eram as Lãminas necrosadas.

Rotação da falange distal (com a sua ponta perfurando a sola do casco). Podem ser afetadas as 4 patas, mais na maioria das vezes são afetadas somente os anteriores.

Porque esta patologia ocorre?

1. Alimentação:
A ingestão exagerada de CARBOIDRATOS (milho, trigo, cevada ou ração, na aveia não tão grave) ou a troca brusca de alimentação.

O fornecimento de pasto muito viçoso, que contém trevos e alfafas, também podem gerar diarreia e virar em Laminite.

2. Água:
A ingestão de grandes quantidades de água fria em cavalos recém trabalhados (quentes, suados), pode gerar um choque térmico, levando a uma gastrointerite causando a laminite.

3. Sobretreinamento:
O trabalho pesado sobre um piso duro, em animais não condicionados fisicamente, pode gerar a laminite, ainda mais em animais que possuem a parede do casco e sola finas.

4. Cólicas:
A duodeno jejunite proximal (cólica pela inflamação do I.D.), gera endotoxemia e subsequentemente pode dar Laminite.

5. Retenção de Placenta / Endometrite:
A Laminite pode ocorrer em caso que haja retenção de placenta com ou sem endometrite.

6. Uso prolongado de Corticoides.
Sintomas e diagnóstico:
- Claudicação grave (manqueira);
- Aumento de pulso;
- Calor nos cascos afetados;
- Posição característica (para alívio dos membros afetados);
- Rotação da falange distal (crônica);
- Separação da faixa coronária (coroa do casco) no processo extensor.

O diagnóstico é óbvio.

Posição característica para alívio dos membros afetados.

Tratamento:

Esta patologia é considerada uma emergência, podendo ser leve ou extremamente grave!

A Laminite aguda (nas primeiras 48hs, ou antes que a falange distal rote), deve ser tratada com:

- Gelo (colocar o membro afetado 3 ou 4 vezes ao dia);
- Fenilbutazona (analgésico com efeito antiplaquetário),
- Flunixim meglumine (efeito endotóxico),
- Ácido Acetilsalicílico (anticuagulante),
- Acepromazina (redução da hipertensão)ou a critério de cada veterinário;
- Alimentação a base de feno, podendo entrar com aveia com a melhora do caso;
- Antibiótico sistêmico / tópico (em alguns casos);
- Exercício controlado;
- Cama feita de areia;
- Ferradura em forma de coração para ajudar a evitar a rotação da falange.

Prevenção:

Mantendo um manejo correto em relação à alimentação, exercícios e patologias relacionadas, podemos diminuir muito as chances de ocorrer a Laminite.

Claudia Tigre dos Passos
Médica Veterinária
(ctigre280@terra.com.br)

Posts Relacionados

© 2019 Cavalos do Sul