Você está em: Página Inicial > Artigos > História do Freio de Ouro
Freio de Ouro
Publicado em 19/02/2013 Comentários

História do Freio de Ouro

Freio de Ouro - o grande acontecimento da raça Crioula teve origem na Exposição Funcional de Jaguarão em 1977.

Freio de Ouro

O Freio de Ouro é uma competição anual exclusiva do Cavalo Crioulo, onde podem ser comprovadas as habilidades de cavalo e ginete, reproduzindo nas pistas o trabalho do dia a dia no campo. É um conjunto de provas que testam a doma, a resistência, a docilidade, a aptidão e a coragem, que forma a funcionalidade do cavalo crioulo. O Freio de Ouro é o principal indicador de aperfeiçoamento e seleção da raça Crioula.

É um evento criado e controlado pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC). A partir de 1977, quando aconteceu a 1ª Exposição Funcional de Jaguarão, os criadores de cavalos crioulos verificaram que o desenvolvimento da raça passava pela promoção de provas funcionais. Até então, demonstrações desse tipo não faziam parte do calendário oficial da raça, existindo apenas julgamentos morfológicos. Essa primeira Exposição teve um enorme sucesso, embora tenha sido uma exposição modesta, meio improvisada e com um número reduzido de participantes.

Em 1980, a 3ª Funcional conseguiu atrair a atenção do país inteiro, sendo visitada pelo então presidente da República, general João Batista Figueiredo, um aficionado por cavalos. No ano do cinquentenário da Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC), 1982, o então presidente da entidade, Gilberto Azambuja Centeno, oficializou a prova campeira que seria realizada durante a Expointer, passando a se chamar Freio de Ouro, e dividindo em etapas classificatórias por região.

Freio de Ouro

No primeiro ano com as três classificatórias (1982), participaram 12 animais, competindo, sem distinção de gênero. O primeiro campeão foi Itaí Tupambaé, filho de La Invernada Hornero (consagrado reprodutor da raça) e Preciosa dos Cinco Salsos, do criador Oswaldo Pons, um dos grandes crioulistas de todos os tempos. A partir daí, firmava-se o Freio de Ouro, como o grande acontecimento da maior raça de eqüinos do Rio Grande do Sul.

A partir dai o evento acontece todos os anos, e vem evoluindo, se tornando cada vez mais competitivo e conquistando cada vez mais adeptos da raça.

A partir de 1994 houve a divisão de categorias machos e fêmeas. Hoje (2013) é um evento reconhecido internacionalmente, envolvendo as etapas: Credenciadoras, Classificatórias e a Final. As provas abrangem o Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Brasília, e também os países Uruguai e Argentina.

Em 1983, a prova do Freio de Ouro foi batizada com o nome de Roberto Bastos Tellechea, uma homenagem póstuma a esse incentivador da raça crioula. Em 1990, houve outra grande perda com o falecimento do veterinário Flávio Bastos Tellechea. Em reconhecimento, a prova Freio de Ouro levou o nome dos dois irmãos "Flavio e Roberto Bastos Tellechea".

Freio de Ouro

Segue resumo e as regras gerais, conforme site da ABCCC:

O Freio de Ouro é dividido em sete provas, cada uma tem uma pontuação específica a ser conquistada pelo cavalo e pelo ginete. Quem obtiver melhor pontuação na soma das etapas é o grande campeão.

A primeira fase da competição é a análise morfológica dos animais, na sequência vem o julgamento funcional feito nas provas de andadura, figura, voltas sobre pata e esbarrada, mangueira, campo e bayard/sarmento (disputada na última fase).

Freio de Ouro

A prova Freio de Ouro é realizada em 03 (três) certames:

I - As Provas Credenciadoras
II - As Provas Classificatórias
III – A Final do Freio de Ouro

Cada Credenciadora habilita os quatro (04) machos e quatro (04) fêmeas mais pontuados para a fase Classificatória.

Cada Classificatória, por sua vez, habilita os quatro (4) machos e quatro (4) fêmeas mais pontuados, com dois (2) reservas por sexo, à Final do Freio de Ouro, desde que atinjam média final de dezoito (18) pontos.

Na Fase Final, serão realizadas três provas, obrigatoriamente na seguinte ordem: Mangueira II, Bayard-Sarmento e Campo II. Passarão à Fase Final 12 machos e 12 fêmeas; nas demais Classificatórias, 10 machos e 10 fêmeas; e na Final do Freio de Ouro, 14 machos e 14 fêmeas.

Artigos que você possa estar interessado:

Deixe seu Comentário: